domingo, 7 de maio de 2017

Cuidar...é fundamental.

Cuidado, carinho e atenção são características da ação voluntária.
Você vê um idoso atravessando a rua - auxilia no trajeto.
Você se sensibiliza com as crianças hospitalizadas - 
cria um grupo divertido para visitá-las.
Você se preocupa com animais mal tratados e/ou abandonados - contribui com instituição local.
Você se incomoda com o descaso com a natureza - 
vira agente de preservação.
O meio ambiente - social e natural  - requer a solidariedade e a disponibilidade voluntária para seu cuidado.
A Ecopedagogia trata da pedagogia da sustentabilidade, da ética, da solidariedade, pois somos seres indissociáveis do meio que compõe o Universo, o Planeta, o Continente, o País, o Estado, a Cidade, o local ao qual estamos imersos.

Somos corresponsáveis pela integridade deste Ambiente, e esta responsabilidade requer uma educação com abordagem transdisciplinar, holística, multicultural, integral e íntegra.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Patrimônio cultural e natural Público

...interesses privados em detrimento dos interesses públicos...
É uma inversão de valores que não cabe mais na aceitação do povo.
Principalmente pelos desvios de verbas que se apresentam...
Derrotismo? NÃO! Diferentes formas de luta no enfrentamento de decisões feitas, inclusive, "na surdina". Que democracia é essa?
CARTA AO GOVERNO DO ESTADO
Carta aberta ao governador do Estado do Rio Grande do Sul  contra a extinção das fundações, divulgada ao fim da tarde da segunda-feira 09/01/17.
"Senhor Governador Sartori, senhor Vice-Governador Cairoli: Os senhores obtiveram da Assembleia Legislativa um conjunto de autorizações que permite extinguir várias Fundações estaduais. Foi um processo muito doloroso para a cidadania, que expressou sua discordância na praça e no Parlamento, assim como nos bastidores. Não foi apenas a oposição que tentou mudar o curso do processo, também líderes do PMDB tentaram propor mediações e alternativas, sem sucesso.
Os senhores não proporcionaram à sociedade gaúcha a chance do debate sobre seu patrimônio e não ouviram os apelos e protestos de muitos cidadãos reconhecidos em suas áreas de atuação e de instituições relevantes do país e do estado, como o IBGE, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência/SBPC, a Academia Brasileira de Ciências e a Sociedade de Engenharia do RS.Extinguir Fundações de pesquisa, de planejamento e de cultura, como é o caso de FEE, FDRH,FZB, FEPAGRO, CIENTEC, FEPPS, METROPLAN, FIGTF, Piratini (TVE e FM Cultura), significa muito mais do que fechar os 1.200 postos de trabalho e, assim, diminuir despesas: os senhores e a população bem informada sabem que, com essas Fundações, se vai parte fundamental da possibilidade de desenvolvimento científico, tecnológico e cultural do estado.
Sem elas, surgirão despesas novas,porque tanto o governo atual quanto os futuros inevitavelmente precisarão contratar empresas que prestem os serviços que elas hoje realizam.
Além disso, os senhores não explicitaram à sociedade gaúcha as razões fundamentais para a eliminação dessa parte essencial do patrimônio público. Os motivos orçamentários apresentados são frágeis para justificar uma ação tão radical. Com essas demissões e extinções, economizam-se cerca de 189,2 milhões, segundo dados divulgados pela imprensa, o que representa apenas 0,69%do orçamento do poder Executivo realizado em 2016, de acordo com os dados oficiais do Portal Transparência RS.A sociedade gaúcha tem o direito de receber dos senhores, de forma transparente, a explicitação completa da situação financeira do Estado.
Por que não fornecer o conjunto dos dados sobre as isenções fiscais e por que não responder à Ação Civil Pública impetrada pelo Ministério Público Estadual e determinada pela 7ª Vara da Fazenda Pública em 28/11/2016 para a divulgação desses dados?
O representante do governo declarou à imprensa, na apresentação das medidas de redução de despesas, que elas não são "fruto de um cálculo financeiro, mas de uma previsão conceitual".Cabem, então, as perguntas: em que ocasião os cidadãos gaúchos discutiram e escolheram destruir parte tão importante de seu patrimônio, que lhes restringirá condições de desenvolvimento científico, tecnológico e cultural? E qual o significado desta "previsão conceitual"?
Na prática, o conceito que se expressa nas extinções aprovadas é a defesa dos interesses privados em detrimento dos interesses públicos. Serão as instituições privadas, principalmente de consultoria e de comunicação, as grandes privilegiadas. A cidadania gaúcha terá que arcar com os preços dos serviços que serão por elas prestados, muito maiores do que os custos hoje existentes eque impactarão muito mais fortemente os cofres públicos.
Não podemos aceitar passivamente a imposição de uma política de liquidação do patrimônio público, que se constitui num crime contra a cultura e o conhecimento científico e, portanto, contra a cidadania sul-rio-grandense. Por isto, colocamos em suas mãos nossa manifestação, que expressa a opinião de vários segmentos sociais preocupados com o desenvolvimento do Rio Grande do Sul. Os senhores receberam a autorização para fechar as Fundações, mas não estão obrigados a executar este fechamento.
Os estadistas detêm o poder de decisão, mas aceitam o debate e a possibilidade de revisar suas posições.Por isto, apelamos para que os senhores suspendam os procedimentos para a extinção das Fundações e estabeleçam um fórum de diálogo e negociação, com representantes das organizações da sociedade civil e especialistas das áreas de conhecimento científico, tecnológico e cultural, que expressem a diversidade de posições existentes na sociedade, com o objetivo de formular alternativas exequíveis e profícuas para a superação da crise do Estado e o desenvolvimento do Rio Grande do Sul.
A grandeza e a biografia dos senhores como gestores públicos, neste momento, estão na aceitação do lado justo e democrático da equação política – o lado das informações transparentes,do debate público qualificado e da negociação das decisões que se mostrarem melhores para o Rio Grande do Sul.
Signatários da carta:
Abrão Slavutzky - psicanalista
Alfredo Fedrizzi - jornalista e publicitário, ex-diretor executivo da TVE
Alfredo Gui Ferreira - botânico, professor aposentado da UFRGS, ex-presidente da AGAPAN
Alfredo Jerusalinsky - psicanalista e diretor do Centro
Lydia Coriat, de PoA e Buenos Aires
Armindo Trevisan - poeta, crítico de arte e ensaísta
Bagre Fagundes, folclorista e compositor
Benedito Tadeu César - cientista político, ex-coordenador do LABORS/UFRGS e do PPGCP/UFRGS
Carlos Alexandre Netto - médico, neurocientista e ex-reitor da UFRGS
Celso Loureiro Chaves - pianista, compositor e professor da UFRGS
Cíntia Moscovich - escritora e patronesse da Feira do Livro de PoA
Cláudio Accurso - economista e ex-Secretário do Planejamento do Estado do RS
Deborah Finocchiaro - atriz, diretora e produtora teatral
Edgar Vasques - cartunista e ilustrador
Enéas de Souza - economista, psicanalista, crítico de cinema e ex-secretário de Ciência e Tecnologia do RS
Ernesto Fagundes, cantor
Esther Pillar Grossi - educadora e coordenadora de pesquisa do GEEMPA
Fernanda Carvalho - jornalista e aprensentadora de TV
Flávio Kapczinski - médico psiquiatra, professor da UFRGS e membro da Academica Brasileira de Ciências
Flávio Tavares - jornalista e escritor
Francisco Marshall - historiador, professor da UFRGS e produtor cultural
Gilberto Perin - jornalista, fotógrafo e diretor de cena
Hélgio Trindade - cientista político e ex-reitor da UFRGS e ex-reitor da Universidade Federal da Integração Latino-Americana/UNILA
Hique Gomez - músico e atorHorácio Dottori - Astrônomo e professor emérito da UFRGS
Ivan Izquierdo - neurocientista e coordenador do Centro de Memória e de Altos Estudos do Instituto do Cérebro da PUCRS
Jefferson Cardia Simões - professor titular da UFRGA, membro da Academia Brasileira de Ciências
Jorge Furtado - cineasta, fundador e membro da Casa de Cinema de PoA
Kathrin Rosenfield - crítica literária e professora da UFRGS
Katia Suman - radialista
Leonardo Melgarejo - engenheiro agrônomo e presidente da Associação Gaúcha de Proteção do Ambiente Natural/AGAPAN
Luís Augusto Fischer - escritor, professor da UFRGS e ex-patrono da Feira do Livro de PoA
Luis Fernando Verissimo - escritor, cartunista, roteirista de TV e autor de teatro
Luiz Antônio de Assis Brasil - escritor, professor da PUCRS e ex-secretário de Cultura do RS
Luiz Osvaldo Leite - professor de filosofia, ex-diretor do Instituto de Psicologia da UFRGS e ex-presidente da OSPA
Luiz Paulo Vasconcellos - ator, diretor teatral
Márcia C. Barbosa - professora de física da UFRGS e membro da diretoria da Academia Brasileira de Ciências
Maria Amélia Bulhões - historiadora da arte e presidente da Associação Brasileira de Críticos de Arte
Maria Aparecida Grendene de Souza - economista e ex-presidente do Conselho Regional de Economia RS
Maria Beatriz Luce - educadora, ex-reitora da UniPampa e ex-secretária de Educação Básica do MEC
Maria Benetti - economista, especialista em economia agrícola
Martha Medeiros - jornalista e escritora
Moisés Mendes - jornalistaNei Lisboa - músico e compositor
Néstor Monasterio - diretor e produtor teatral
Paula Ramos - historiadora da arte e professora do Instituto de Artes da UFRGS
Paulo Fagundes Visentini - historiador e ex-coordenador do PPG de Relações Internacionais da UFRGS
Paulo Flores - ator e membro da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz
Paulo Romeu Deodoro - professor de música e diretor musical Afrosul/Odomode
Pedro Dutra Fonseca - economista e ex-vice reitor da UFRGS
Rafael Pavan dos Passos - arquiteto, presidente da IAB-RS
Regina Zilberman - crítica literária e professora do Instituto de Letras da UFRGS
Rodrigo Ghiringhelli de Azevedo - sociólogo e coordenador do PPG de Ciências Sociais da PUCRS
Rogério Beretta - ator
Rualdo Menegat - geólogo, professor do IGEO/UFRGS e coordenador-geral do Atlas Ambiental de Porto Alegre

Ruben G. Oliven - antropólogo, ex-presidente da Associação Brasileira de Antropologia e da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais/ANPOCS
Ruy Carlos Ostermann - jornalista, ex-secretário de Ciência e Tecnologia e ex-secretário de Educação do RS
Sandra Dani - atriz e ex-professora do Departamento de Artes Dramáticas da UFRGS
Santiago - cartunista
Sérgio Faraco - escritor
Tiago Holzmann da Silva - arquiteto e ex-presidente do IAB-RS
Vitor Ramil - cantor, compositor e escritor
Yamandu Costa - violonista e compositor
Zé Adão Barbosa - ator e diretor teatral
Zé Victor Castiel - ator e produtor
Zoravia Bettiol - artista visual, designer e arte educadora

Intelectuais reivindicam em carta fundações extintas por Sartori  no RS

Manifesto de notáveis pede que Sartori suspenda extinção de fundações

Intelectuais, artistas e cientistas pedem que Sartori suspenda extinção de fundações

Atenção e Cuidado

A natureza pede cuidado. 
A natureza humana precisa dar atenção.

-clic na imagem-

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Nascentes Urbanas - belezas a serem tombadas e cuidadas

Um belo trabalho de cuidado a conhecer e divulgar.

Clic no link e veja os slides.
http://pt.slideshare.net/deisenascimento/projeto-final-nascentes-urbanas

O Projeto Nascentes Urbanas objetiva a recuperação de áreas urbanas degradadas com plantio ciliar e preservação de córregos e nascentes das Bacias do Ribeirão das Pedras, Córrego da Fazenda Monte d'Este, Bacia do Ribeirão Anhumas, Setor de Drenagem do Rio Atibaia e Bacia do Ribeirão Quilombo, situadas na Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos URGH5 e plantio ciliar de trechos do Rio Atibaia situadas dentro do Distrito de Barão Geraldo e Paulinia, Campinas/SP.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Falando em cuidado, nova era e ética.


"A quarta fonte (da ética) é o cuidado, 
fundado na razão sensível e na sua expressão racional, a responsabilidade. 
O cuidado está ligado essencialmente à vida, pois esta, sem o cuidado, não persiste. Daí haver uma tradição filosófica que nos vem da antiguidade (a fábula-mito 220 de Higino) que define o ser humano como essencialmente um ser de cuidado. 
A ética do cuidado protege, potencia, preserva, cura e previne. 
Por sua natureza não é agressiva e quando intervem na realidade o faz tomando em consideração as consequências benéficas ou maléficas da intervenção. 
Vale dizer, se responsabiliza por todas as ações humanas. 
Cuidado e responsabilidade andam sempre juntos.
     Essa ética é hoje imperativa. 
O planeta, a natureza, a humanidade, os povos, o mundo da vida (Lebenswelt) estão  demandando cuidado e responsabilidade. 
Se não transformarmos estas atitudes em valores normativos dificilmente evitaremos catástrofes em todos os níveis. Os problemas do aquecimento global e o complexo das varias crises, só serão equacionados no espírito de uma ética do cuidado e da responsabilidade coletiva. 
É a ética da nova era.
     A ética do cuidado não invalida as demais éticas mas as obriga a servir à causa maior que é a salvaguarda da vida e a preservação da Casa Comum para que continue habitável."
http://www.humaniversidade.com.br/boletins/etica_leonardo_boff.htm
     Leonardo Boff é autor de Saber cuidar. Etica do humano, compaixão pela Terra, Vozes

Tempo de se cuidar e fluir


Estamos numa nova Era.
É a Era do cuidado, de si mesmo e do meio.
Estamos reciclando conhecimentos, crenças, pensamentos, sentimentos...
Nem todos estão sintonizados com a mesma compreensão. Cada pessoa é única e está vivenciando este momento com a sua consciência.  Alguns são tocados pelo susto, outros pelo amor.  Vamos nos permitir a atenção e a presença no agora.

"O início do século XXI caracteriza-se por uma mudança no patamar de consciência ecológica. Bilhões de seres humanos aprenderam que são parte de uma espécie cujas atividades influem sobre o planeta e alteram o rumo da evolução. Descobriram a existência da crise climática planetária e de seu papel na evolução. Nos últimos anos, houve um crescimento vertiginoso na consciência sobre as questões ecológicas em diversos públicos e segmentos sociais e nas práticas ambientais de indivíduos e organizações." 
(http://www.ecologizar.com.br)


Tudo indica que as constantes alterações que estão ocorrendo, não só com o clima que se verifica em todo o planeta, mas também com o comportamento das pessoas, - e isso salta á vista, - já seja uma conseqüência desta “Nova Energia”, que, gradativamente está assumindo o controle. “Algo de grandioso e de forma supimpa está acontecendo nesta nave chamada Terra.”
(http://www.luzdegaia.net)


"Enquanto evoluímos, notamos como estamos cientes que estamos cuidando de nós mesmos, dos outros e de Gaia. Podemos ficar mais chocados com aqueles que tratam as formas de vida descuidada e desrespeitosamente. Podemos querer sacudi-los para que se soltem do seu egoísmo. E, no entanto, eles também têm escolha. Ao fazermos o que é mais amoroso a todos de Gaia, nós afetamos como os outros se comportam. Pode ser um processo lento, mas nunca duvide do efeito que temos sobre os outros enquanto permanecemos em nossa própria Integridade e respeito por toda a Vida. Estamos trazendo uma nova Consciência à Terra apenas ao sermos despertos e autênticos. Quando compreendermos plenamente que somos Um com toda a vida, deixaremos a consciência que diz que somos os regentes da Terra. A Terra não está aqui para a governarmos ou termos poder sobre ela. Ela é uma parte nossa. Como a amamos é como nos amamos e ao outro."
(https://rayviolet2.blogspot.com.br/2016/06/entregando-se-e-fluindo-com-o-que-e.html)



Vamos dar atenção e cuidado ao nosso Eu, e espalhar os cuidados entre nós. É um convite para evoluir e harmonizar.
Isto lembra uma lição que vem de uma criança:

Um pai, cujo filho pedia sua atenção, para entretê-lo, recortou o mapa do mundo em vários pedaços e, junto com um rolo de fita adesiva transparente, entregou à criança dizendo para consertar a imagem. Calculou que a criança levaria algum tempo tentando ou desistiria, procurando algo mais atraente para brincar. Passado algum tempo o filho lhe mostrou a imagem do mundo totalmente recomposto. Os pedaços haviam sido colados nos seus devidos lugares. Impressionado o pai pergunta ao menino como havia feito aquilo, como consertou o mundo sem ajuda, e a criança respondeu: - Eu não sabia como era o mundo, mas, quando você tirou o papel da revista para recortar, eu vi que, do outro lado, havia a figura de um homem. Quando você me deu o mundo para consertar, eu tentei, mas não consegui. Virei os recortes e comecei a consertar o homem que eu sabia como era; quando consegui consertar o homem, virei a folha e vi que havia consertado o mundo.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

É preciso cuidar...


QUE SAIBAMOS CUIDAR...
Enquanto caminho no tempo que tenho, na história que eu faço, em meu viver e sonhar. 
Contemplo a vida que Deus semeou em todo o universo, e que é pra gente cuidar. 
O mar e as estrelas, as aves que voam a planta e a flor. 
O ar que eu respiro, a ternura e o sorriso me falam do AMOR.

Que saibamos cuidar da vida que há dentro da gente e em todo lugar. 
Que saibamos cuidar da vida que há na terra e no mar.

E quando caminho no meio do povo, por campos e ruas de nossas cidades. 
Vejo no rosto de tantos pequenos as marcas da dor e que é preciso curar. 
Estendendo as mãos como fez o mestre que a paz nos deixou. 
Levar a esperança unindo as vozes no mesmo cantar.
Letra de Pe Osmar Coppi

terça-feira, 7 de junho de 2016

Antônimo de Cuidar

A palavra CUIDAR é utilizada no ponto de vista deste blog para indicar uma ação importante e necessária, no nosso dia a dia, em todas as formas de relação no ambiente. Esta escolha é para destacar o necessário cuidado com o seu antônimo, que muito está a acontecer. São eles: descuidar, negligenciar, desleixar, desprezar, relaxar, despreocupar, desatender, postergar, desalinhar, desarranjar, desmantelar, deszelar, desaprimorar...  

Como está nossa AÇÃO no atual contexto?
A Educação Ambiental visa desenvolver de forma integrada e integral a percepção do meio ambiente em suas múltiplas e complexas relações, considerando os diversos aspectos a que está sujeito. (Lei 9795/99).

E o Descuido Ambiental é uma problemática social e ambiental.
video

Infelizmente este vídeo não é somente um inocente desenho animado para sensibilização. Vejamos a realidade abaixo.


De três a quatro vezes por dia o caminhão faz esta entrega.

Nossa produção de resíduos cada dia aumenta mais e, enredada no contexto local, provoca uma série de necessidades, todas elas voltadas para a sustentabilidade.
O descarte de maneira adequada se torna cada vez mais imprescindível, pois, se o material for dispensado de forma inconsequente, se transforma em lixo causando enormes impactos sociais e ambientais. 
O exemplo acima mostra uma triste realidade que causa diversas e sérias consequências para a vida num todo.

Os resíduos secos e orgânicos misturados se transformam em contaminantes. 

Por isso é MUITO IMPORTANTE e URGENTE que materiais sejam separados lá no seu início de uso e consumo. O que sobra deve ser acertadamente encaminhado para destinos corretos e diferenciados. O caminhão da reciclagem encaminha para cooperativas de trabalho, e, o caminhão do lixo, irá levar o que restou para um aterro sanitário. 
Espera-se que, cada vez mais, este último tenha seu percentual reduzido de movimentação para a saúde do Planeta, num todo.
Vejamos abaixo a separação de alguns materiais:



A qualidade da água que bebemos, do alimento que consumimos, do ar que respiramos, do espaço que circulamos, está diretamente ligada a forma como estabelecemos nossa relação com o ambiente, o qual todos somos responsáveis.
Não podemos ser inconsequentes.



(imagens retiradas da internet)

domingo, 25 de outubro de 2015

Estudos pela Sustentabilidade Esteio/RS

O Colégio Coração de Maria, da Rede Verzeri, em Esteio, realiza tradicionalmente a FEICOM - Feira de Idéias - encerrando as atividades interdisciplinares de iniciação científica realizadas ao longo do ano com todas as turmas do Ensino Fundamental e Médio.
O destaque aqui dado são para os alunos da 19@ edição, que aconteceu nos dias 24 2 25 de setembro de 2015, que realizaram a exposição de trabalhos voltados para a área ambiental, mostrando a atenção e preocupação com o estudo das problemáticas que surgem, e com buscas de soluções sustentáveis.
Considerando-se que estes alunos serão os futuros pais e profissionais na sociedade, espera-se que sejam apoiados no protagonismo em pesquisa e articulação das questões socioambientais para contribuição na construção de uma nova sociedade.

Vamos ver o que está chamando a atenção destas crianças e adolescentes: 
(clic na imagem para ampliar)

1. Biotecnologia e sustentabilidade:

2. Reaproveitamento e reuso da água:

video

3. Aproveitamento da água da chuva:







video

4. Quarto ano do Ensino Fundamental I focado na reciclagem:


5. Economia da água:


6. Economia de energia elétrica e reaproveitamento de resíduos


7. Utilização da energia solar e economia da energia elétrica:


8.Animais em extinção:


9. Poluição visual e do ar pelo descarte e queima de sofás:


10. Casa Sustentável - parceria com Escola Estadual


Este destaque vem ao encontro do trabalho das Irmãs Filhas do Sagrado Coração de Jesus e funcionários do Colégio, dentro da Campanha da Fraternidade, e pelo Dia Nacional da Juventude/2015 com o Lema  
JUVENTUDE CONSTRUINDO UMA NOVA SOCIEDADE.

domingo, 23 de agosto de 2015

Um Bulling Familiar

24 de Agosto é o Dia da Infância, data instituída pela UNICEF com a finalidade de promover a reflexão sobre as condições da vida das crianças em todo o mundo: afetivas, sociais, econômicas, educacionais...

Nesta mesma semana completam-se cinco anos da lei  de Combate à Alienação Parental - 12.318/2010** - que veio contribuir com a garantia do direito a Convivência Familiar e Comunitária saudável às crianças e Adolescentes.


Alienação parental é crime pela ação de interferência na formação psicológica de criança ou adolescente.


O termo é utilizado quando um dos pais tenta denegrir a imagem do outro a ponto de criar sintomas prejudiciais ao emocional da criança. Geralmente isto acontece entre casais separados cuja relação mal resolvida e conflituosa prejudica diretamente os filhos. Mas, também, pode advir de avós ou entre demais responsáveis pela guarda da criança.

A identidade de uma criança se estrutura na sua relação com pai e com a mãe. Quando um genitor interfere negativamente na formação da imagem do outro para essa criança, sua personalidade passa a ficar comprometida, provocando  inseguranças, ansiedade, depressão, podendo prejudicar em seus relacionamentos no futuro.
A alienação parental, independentemente se de forma sutil ou declarada, é grave, pois afeta a formação afetiva dos filhos: dificuldade no contato com a criança, desqualificação da figura paterna ou materna, acusações falsas, pressão psicológica entre outros, procuram prejudicar, a até destruir, o vínculo afetivo dos filhos com o genitor ao qual um dos lados pretende atingir.

Desde agosto de 2010 falar mal de pai ou mãe, ou dificultar a convivência com os filhos, passou a ser considerado crime de abuso moral. A lei pune responsáveis que tentam colocar os filhos contra o ex-parceiro. A nova legislação prevê multa, acompanhamento psicológico e/ou perda da guarda da criança.


Para saber mais acesse os links:
- da Cartilha do Poder Judiciário do Mato Grosso do Sul

- de Artigo de TCC/PUC Rio Grande do Sul - Aspectos Jurídicos e Psíquicos

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Estamos chegando ao Limite.

A Rosa de Hiroshima
Secos & Molhados


Maio, Junho, Julho... 06 de Agosto de 1945.

Estamos a 70 anos dos acontecimentos socioambientais que culminaram nos bombardeios que destruíram as cidades japonesas Hiroshima e Nagasaki, e atingiram severamente o mundo, o Planeta Terra. 
O calor, o fogo e a irradiação mataram instantaneamente pessoas e natureza, atingindo geneticamente gerações até os dias de hoje.

Em Outubro de 1961, período da Guerra Fria, os soviéticos realizaram um teste com a bomba Tzar, para mostrar seu poderio nuclear, arrasando uma ilha do Ártico, cuja onda de choque atingiu até a Finlândia. 



Qual o resultado destes atentados, e de outros mais, para a vida,
nos ecossistemas?
Energia nuclear é energia que move o UNIVERSO. Porém  estamos mexendo com algo que tem um efeito destruidor e muito maior que a nossa própria Casa. 
Um desastre na Terra envolve, também, o Universo.

Num mixto de temas - Ciência, Espiritualidade, Filosofia, Tecnologia, Ambiente Cósmico,  o documentário  DATA LIMITE aborda assuntos alusivos as preocupações aqui levantadas a partir do trabalho de Chico Xavier, cujas revelações já anunciavam uma nova era.  

SINOPSE - Especialistas em ufologia afirmam que após a explosão das bombas de Hiroshima e Nagasaki, se verificou um aumento considerável no número de avistamentos de OVNI’S (Objetos Voadores Não Identificados) em todo o mundo.

Pouco mais de duas décadas depois, o médium brasileiro Chico Xavier confidenciava aos companheiros mais próximos que, por ocasião da chegada do homem à lua em 20 de julho de 1969, acontecera uma reunião com as potências celestes de nosso sistema solar para verificar o avanço da sociedade terrena. Decidiram pois, conceder a humanidade um prazo de 50 anos para que evoluísse moralmente e convivesse em paz, sem provocar uma terceira guerra mundial.

Se assim convivesse até a Data Limite - Julho/2019, a humanidade estaria, a partir de então, pronta para entrar numa nova era de sua existência, e feitos magníficos seriam verificados por toda a parte, inclusive os nossos irmãos de outros planetas estariam autorizados expressamente à se apresentarem pública e oficialmente para os habitantes da terra.

Conheça o movimento (http://datalimite.com/
e assista abaixo o documentário. 
Imperdível.


Militares confirmam Data Limite
http://verdademundial.com.br/2015/04/militares-eua-confirmam-chico-xavier-e-a-data-limite/

Moramos no mesmo condomínio chamado Terra 
e temos que partilhar as responsabilidades.

Lição necessária:
 "humildade acima de tudo".